ASSISTA AGORA no link: https://fb.watch/5gebfuY8e2/

                                                              

versão com audiodescrição e libras: https://fb.watch/5geCrmuLdq/

 

Temporada Proac

de 04 de Abril a 04 de Maio de 2021, sempre às 19 horas

Exibições de videodança todos os domingos e segundas no Facebook dos espaços parceiros do projeto. Acessibilidade (audiodescrição e libras). LIVRE para todos os públicos.

Bate-papo sobre o processo de criação às terças. Lives no Instagram. Acessibilidade (libras).

Oficinas de Dança no Zoom em parceira com o Teatro Flávio Império de São Paulo e com o Teatro Popular de Comédia de Ribeirão Preto. Acima de 14 anos.

Dados da temporada:

Serafina conflui corpos em forças de resistência. Corpos inerentes aos seus habitats, água, terra, mata. Forças femininas, dos primórdios e do hoje. Continuidade e sobrevivência.

Corpo que é barco largo nas águas, corpo em estado de festa, corpo-floresta que luta para não se extinguir. Corpo aprisionado, mas que também rompe todo tipo de aprisionamento. É aquele que ressurge do ínfimo, das cinzas, dos restos. A convergência dos corpos gera uma nova força.

 

A partir de pesquisas de campo com a Encantaria, na região de Santarém, no Pará, surge este trabalho, criado em minúcias, no contexto da pandemia do Covid-19, com direção online de Graziela Rodrigues e trabalhos no quintal da casa da intérprete Larissa Turtelli. A criação foi desenvolvida por esta dupla de mulheres, toda sem música, em inúmeros laboratórios dirigidos. Nestes trabalhos de criação foram sendo aos poucos depurados pela diretora os vários corpos que emergiram do corpo da intérprete mobilizados – e interconectados – com o vivido nas pesquisas de campo.

 

As pesquisas, realizadas no mês de fevereiro de 2020, apresentaram uma realidade onde do mínimo se faz muito, se renova todo um corpo. Pessoas com sabedorias ancestrais, para "desmontar e montar de novo" os ossos de um corpo. A capacidade de acolhimento, de festa e de brincadeira, mesmo diante de dificuldades e tragédias. A coragem da luta perante forças que parecem muito maiores. A interconexão entre as pessoas e destas com os diferentes habitats. A percepção daquilo que é invisível. O silêncio e a limpidez dos ambientes das águas e das matas.

 

O trabalho foi criado dentro do método Bailarino-Pesquisador-Intérprete (BPI), um processo de pesquisa, de criação e de ensino em dança desenvolvido por Graziela Rodrigues desde 1980 e atualmente em constante atualização pela sua criadora e por outros artistas que trabalham dentro deste método há muitos anos, formando o Núcleo BPI.

 

Uma vez levantado todo o material corporal e criado o roteiro, a artista da dança e da videodança Karina Almeida foi convidada para se juntar à Larissa Turtelli e à Graziela Rodrigues na efetivação desta videodança. Este processo também contou com um trabalho pormenorizado, no qual foram realizados vários testes de gravações, oportunidade para Karina Almeida mergulhar nos conteúdos de Serafina e estabelecer uma fina conexão com a intérprete e a diretora, o que veio a se tornar também criação na linguagem do vídeo a partir do roteiro original que foi mantido na íntegra.

 

Após considerar diversas possibilidades de locações para as filmagens, o trio de mulheres chegou à conclusão de que o espaço mágico da cena seria a locação ideal. Lugar onde paisagens imaginárias poderiam ir e vir de acordo com a sensibilidade e o bojo de memórias de cada espectador, instigadas pelo corpo, pela trilha sonora, pela iluminação e pelos demais elementos da cena.

 

A trilha sonora ficou a cargo do músico José Augusto Mannis, compositor, Professor Titular do Instituto de Artes da Unicamp – que também participou das pesquisas de campo em Santarém – e do músico Gustavo Sales Rocha Santos, bacharel em música pela Unicamp na modalidade composição. Para a criação dos adereços e figurinos foi convidado o cenógrafo e figurinista Márcio Tadeu, o qual vem desenvolvendo uma longa parceria com Graziela Rodrigues, cooperando em seus trabalhos artísticos desde a década de 1980. A iluminação foi criada e efetivada por Francisco Barganian, iluminador que desenvolveu muitos trabalhos com o LUME Teatro e agora trabalha na empresa Zumbido Cultural. A produção ficou a cargo de Mariana Floriano que também é pesquisadora no método BPI e se relaciona com o trabalho de maneira afetiva e, portanto, plenamente profissional.

FICHA TÉCNICA
 
Bailarina-Pesquisadora-Intérprete: Larissa Turtelli
Direção Artística: Graziela Rodrigues
Roteiro e Coreografia Graziela Rodrigues e Larissa Turtelli
Criação do videodança: Larissa Turtelli, Graziela Rodrigues e Karina Almeida
Narração: Graziela Rodrigues
Produção Cultural: Mariana Floriano e Larissa Turtelli
Gestão Cultural: Mariana Floriano e Cooperativa Paulista de Teatro
Figurinos: Márcio Tadeu
Trilha sonora: José Augusto Mannis e Gustavo Sales Rocha Santos
Iluminação: Francisco Barganian
Captação e edição de vídeo: Karina Almeida 
Captação e edição de som: José Augusto Mannis e Gustavo Sales Rocha Santos
Apoio Técnico: Yasmin Berzin Capozzoli
Confecção de figurinos e adereços: Adriana Ungaretti, Creusa Ferreira Quintans,

Graciete Mary dos Santos, Juliana Schmidt Tomazini, Larissa Turtelli, Nella Paredes,

Yasmin Berzin Capozzoli e Marcenaria e Carpintaria Campos Verdes
Arte Gráfica: Giacko Studio
Assessoria de imprensa: Canal Aberto

Assessoria de mídias sociais: Bruno Guzzo - BMG Comunicação
Audiodescrição: Bell Machado
Intérprete de libras: Samuel Rodrigues
Realização: Núcleo BPI